O padrão no Street Art

Continuando o estudo sobre street art encontrei uma definição do famoso fotógrafo Bresson sobre a mesma. Ele se refere a arte de rua da seguinte forma:

“L’art bastard des rues mal famées” (Francês) ou seja “A arte bastarda das ruas de má fama” (Português)

Bresson, segundo o artigo de Nádia Raupp Meucci, é uma artista francês inato. Pensa como artista, vive como artista. Genuíno em tudo o que faz e em tudo o que diz. Descomplicado para falar, para fotografar, para pintar, para viver. Fala o óbvio ululante e por isto mesmo é genial.

 Street Art é definido por ele como algo menosprezado e incerto, que serve de referência para a arte contemporânea até os dias de hoje. Faz uma ligação entre a arte contemporânea e o Street Art, dizendo que na arte de rua existe sim um “padrão/lei” que põe todos os sistemas estéticos de lado e propõe a beleza como um consequência e não como objetivo.

Acreditamos cada vez mais que o papel do Street Art/Arte de rua é proporcionar o equilíbrio entre a humildade de um povo com a humildade de um rei através da forma mais pura de se demonstrar sentimento, a arte.

Referências:

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *